CURRÍCULOS E CURRICULARIZAÇÃO DA FORMAÇÃO DOCENTE CONTEMPORÂNEA NOS MESTRADOS EM EDUCAÇÃO DA UFPA, UEPA, UFT NA/DA AMAZÔNIA BRASILEIRA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24065/2237-9460.2015v1n1ID1552

Palavras-chave:

Currículo, Curricularização, Formação docente contemporânea

Resumo

A curricularização da formação inicial docente, no ensino, na pesquisa e na extensão, nos mestrados em educação são questões das quais nos ocupamos e refletimos neste trabalho. A produção textual resulta da Pesquisa Documental de aspectos dos currículos dos cursos de mestrados em educação da UFPA, UEPA, UFT; três universidades públicas da região Norte, na Amazônia brasileira. Fazemos, também Análise Qualitativa Interpretacionista, conforme as três etapas metódicas inter-relacionadas: a etapa investigativa, uma interpretativa e outra propositiva. Nossa fundamentação teórica é de autores da área de currículo e formação de professores tais como: Bernard Charlot (2000), Jurjo Santomé (1998), Gimeno Sacristán (2000), Ivani fazenda (2001, 2008), Elizabeth Macedo (2001), Tomaz Tadeu Silva (2000). A curricularização da extensão na educação superior para a formação inicial, está prescrita na legislação; na pós-graduação ainda não está definida, mas, poderá vir a ser exigida já que a legislação sobre a extensão para a educação superior aponta para o processo de curricularização também na especialização, no mestrado, doutorado. Os cursos de mestrado em educação da UFPA, UEPA, UFT, criados antes do marco legal da extensão acadêmica, não explicitam nos seus currículos a curricularização da extensão, apesar de, curricularizadas estarem, o ensino e a pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Damião Rocha, Universidade Federal do Tocantins

Pós-Doc. pela UEPA. Doutor em educação pela UFBA. Mestre em educação pela UFG. Docente do PGEDA/UFPA e do PPGE/UFT. Líder do grupo de pesquisa CNPQ Gepce/Minorias. Sócio da Anped/Nacional GT 12 – Currículo e Anped/Norte. Coordenador do PPPGE/UFT. Brasil. ORCID: 

Marcos Irondes Coelho, Universidade Federal do Tocantins

Doutorando em Educação na Amazônia e Mestre em Educação, pela UFT. Vice-Líder do grupo de pesquisa CNPQ Gepce/Minorias. Professor da Educação Básica da Secretaria da Educação do Tocantins.

Referências

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES 608/2018. Diretrizes para as políticas de extensão da educação superior brasileira. Disponível em <http://www.portal.mec.gov.br>. Acesso em: 27 dez. 2020.

BRASIL. Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 29 dez. 2020.

CHARLOT, B. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre, RS: Artmed, 2000.

DOLL JR., W. E. Currículo: uma perspectiva pós-moderna. Trad. Maria Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1997.

DUTRA, H.; DAMAS, L. A. H.; ROCHA, D. O currículo como vivência da complexidade no espaço escolar. In: Revista ETD: Educação Temática Digital, v. 11, p. 35, 2009.

FAZENDA, I. C. A. (Org.). O que é interdisciplinaridade? São Paulo, SP: Cortez, 2008.

FAZENDA, I. C. A. Integração como proposta de uma nova ordem na educação. In: CANDAU, V. M. (Org.). Linguagens, espaços e tempos no ensinar e aprender. 2 eds., Rio de Janeiro, RJ: DP&A, 2001.

FORPROEX. Fórum de Pró-Reitores das Instituições Públicas de Educação Superior Brasileiras. Política Nacional de Extensão Universitária. Manaus. 2012. Disponível em: <https://proex.ufsc.br/files/2016/04/Pol%C3%ADtica-Nacional-de-Extens%C3%A3o-Universit%C3%A1ria-e-book.pdf>. Acesso em: 31 dez. 2020.

GALLO, S. A orquídea e a vespa: transversalidade e currículo rizomático. In: PEREIRA, M. Z. da C. et al. Currículo e contemporaneidade: questões emergentes. Campinas, SP: Alínea, 2004.

GALLO, S. Disciplinaridade e transversalidade. In: CANDAU, V. M. (Org.). Linguagens, espaços e tempos no ensinar e aprender. 2. ed., Rio de Janeiro, RJ: DP&A, 2001.

LOPES, A. C. Organização do conhecimento escolar: analisando a disciplinaridade e a integração. In: CANDAU, V. M. (Org.). Linguagens, espaços e tempos no ensinar e aprender. 2. ed., Rio de Janeiro, RJ: DP&A, 2001, p. 147-183.

MACEDO, R. S. Currículo: campo, conceito e pesquisa. Petrópolis, RJ: 2007.

MACEDO, E. O que significa currículo disciplinar? In: In: CANDAU, V. M. (Org.). Linguagens, espaços e tempos no ensinar e aprender. 2. ed., Rio de Janeiro, RJ: DP&A, 2001, p. 181- 188.

MIRANDA, J. F. B.; ROCHA, D. Cibercultura e mobilidade: a utilização de smartphones em sala de aula. In: Revista Humanidades & Inovação, v. 7, p. 104-120, 2020.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 2. ed., Porto Alegre: Sulina, 2005.

MOREIRA, J. M. A. Insterdisciplinaridade: as disciplinas e a interdisciplinaridade brasileira. In: FAZENDA, I. (org.). Que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2008, p. 85-95.

PAIVA. C. C. de (org.). Extensão universitária, políticas públicas e desenvolvimento regional. São Paulo, SP: Cultura Acadêmica, 2018.

PNPG. Plano Nacional de Pós-Graduação (PNPG 2011-2020). Documentos setoriais. v. II, Brasília: DF, 2010. Disponível em: <https://www.gov.br/capes/pt-br/centrais-de-conteudo/pnpg-miolo-v2-pdf> Acesso em: 27 dez. 2020.

PPGED/UFPA. Programa de Pós-graduação em Educação da UFPA. Disponível em: Acesso em: 27 dez. 2020.

PPGED/UEPA. Programa de Pós-graduação em Educação da UEPA. Disponível em: https://ccse.uepa.br/ppged Acesso em: 27 dez. 2020.

PPGE/UFT. Programa de Pós-graduação em Educação da UFT. Disponível em: https://ww2.uft.edu.br/ppge Acesso em: 27 dez. 2020.

ROCHA, D.; SOARES FILHO, V. UAB na Federal do Tocantins: uma experiência de colaboração, gestão e inovação na educação mediada por tecnologias. In: Revista Observatório, v. 5, p. 1-49, 2019.

ROCHA, D. Relações líquidas, flexíveis, resilientes e Universidade nômade. In: SANTANA, J.; ROCHA, D.; APOLINÁRIO, J.; ROLIM, C. (Orgs.). Resiliências educativas. Goiânia – GO: Editora América, 2013.

SILVA, T. T. da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2. ed. Belo Horizonte, MG: Autêtica, 2000.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 2000.

SANTOMÉ, J. T. As culturas negadas e silenciadas no currículo. In: SILVA, T. T. da. Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. Rio de Janeiro, Rio: Vozes, 1995.

SCHÖN, D. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, A. Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p. 79-91.

VASCONCELOS, E. M. Complexidade e pesquisa interdisciplinar: epistemologia e metodologia operativa. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes. 2007.

Downloads

Publicado

2021-04-26

Como Citar

ROCHA, D. .; IRONDES COELHO, M. . CURRÍCULOS E CURRICULARIZAÇÃO DA FORMAÇÃO DOCENTE CONTEMPORÂNEA NOS MESTRADOS EM EDUCAÇÃO DA UFPA, UEPA, UFT NA/DA AMAZÔNIA BRASILEIRA. Revista Exitus, [S. l.], v. 11, n. 1, p. e020144, 2021. DOI: 10.24065/2237-9460.2015v1n1ID1552. Disponível em: https://portaldeperiodicos.ufopa.edu.br/index.php/revistaexitus/article/view/1552. Acesso em: 18 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê